31 de out de 2011

Mistério do planeta
ou da meia noite

Miss histérica
Mister estéreo

Era só cada miss ter rio
e o mister rir

mais um r
mais um s

para o sol solar e o rio ir
e a assim a miss teria um mistério?

Giselda Gil

30 de out de 2011

Segui, pelas ruas de minhas angustias.
Cheguei a pensar que não valeria à pena....
Quantas vezes, tombei? Não sei!

Me perdi. Fiquei zonza; acuada num canto escuro;
de solidão, ardendo..

Mas existe àquela força, sobrê humana,
Que age secreta e envolvente,
Forte como o fogo;
Brabas ondas de maré, à ressucitar terras novas;
enxurradas de sentimentalidades amadurecidas.

Os poemas são minha cura.
Onde em silêncio, incorporo infinitos.
Que invadem meus segredos à descreverem -
litoranêos de Deus!

Emergir o corpo expelindo faíscas de vida - levantado pela alma;
Corpo ancorado notra vida - dentro desta.
Alma em marfim. Alma que transporta!

veralynpoeta

29 de out de 2011

Fantasia da flor

Ela era tão bonita
a melhor companhia
não existe dia triste
acabou tanta agonia
tirou o bêbado da corda bamba
deu visão a quem não tinha
encharcou o campo seco
espantou a nuvem fria
e calou o choro feio com uma linda poesia

De tanta coisa boa que existe
Ela recusa autoria
Que o maior prazer incide
Em viver a liberdade
Não ser dono do universo
Compreender a igualdade
Todo mundo diferente
Diferença é roupagem

há de quem dela duvide
sua efêmera profecia
como a vida de uma flor
que se fecha ao fim do dia
antes tarde do que triste
Andes triste fantasia

Beto Mattos

pandeiro e o relicário

eu ando dentro dos seus passos
sou uma sombra que sente dor
a sobra da tua luz
o laço que o sol não desatou

ando perdido em palavras
e você não me achou
fui na feira comprar fato
achei teu casco coro de rato
um pandeiro desafinado
e o chato de um animador

Beto Mattos

27 de out de 2011

A vida é minha deixa...

As ruas sussurram
Esquinas se beijam
Olhares perfuram o escuro
Pichadores maculam igrejas
Eu fujo sem que me vejam
Maluco beleza
Obscuro igual Raul Seixas
A vida é minha deixa

Já acumulo tantos murros em pontas de faca
Que mal consigo contar nos dedos as vezes em que estive em apuros, saca?
Igual um bebe chutando do útero
Eu luto pelo futuro
Sem nem um puto no mundo adulto e babaca

Eu não durmo mais eu sonho
Componho no turno noturno
Não controlo o rumo das minhas canções
Entre letras e números tretas e outros absurdos
Eu quase perdia a razão, tive as minhas razões

Eu não represento o senso comum, tudo que eu penso é incomum é denso, é tenso é a vida vista no zoom

Perdida, desperdiçada, despedaçada
pra mim prometida
parte partida
parte de carga pesada
meio inibida
pouco tentada
beleza testada
tudo ou nada
sonho acordado
vivendo meu sonho
sonhando a minha vida
meto o pé na estrada
eu to decidida
a não ficar muda
eu vou fincar minha raiz
sou bruta flor
crescer e ser pra sempre um aprendiz
de feiticeiros
poetas
guerreiros
e na certa
com amor e tolerancia
eu vou chegar na minha meta
to numa viajem de perguntas
a procura de respostas
ponho fé na minha conduta
e pago o preço da aposta
to pronta pra jogar
nesse selva de concreto
pra perder
ganhar
pelo justo pelo certo

eu me imponho uma nova melodia
eu me alimento de um novo dia

Kl Jay, Aori e Lívia Cruz

25 de out de 2011

A Palavra

Hoje, venho te falar

da razão pela qual a Palavra está

vivendo o seu apogeu nesse mar

de sons, dons e tons tão colorido.

E que não vivemos mais aflitos

perdidos sem saber falar

a língua que eternamente nos dá

aquilo que procuramos ou sonhamos

por sermos conscientes que

a capacidade de se expressar é

verdadeiramente uma comunicação incrível!

Pois, ela pode construir ou destruir

os elementos que estão no lugar

porque, é só querer ou deixar

e logo se vê tudo consumido.

Portanto, podemos afirmar

que a Palavra tem força e poder,

importando com isso apenas ser

ouvida e bem compreendida

para, que a comunicação recebida

se torne realmente o canal

desse bem ou mal

em nossas próprias vidas.



By Silvio Parise

12 de out de 2011

A RUA É O MEU LAR

ERRANDO PELAS RUAS DA LINDA CIDADE
LÁ VAI A POBRE CRIANÇA DESALENTADA
MAGRINHA, FAMINTA, DESCALÇA, QUASE NUA.
AONDE VAI? PERGUNTEI COM CERTA CARIDADE.
OLHANDO-ME COM TRISTEZA NÃO FALA NADA.
DIGA-ME MEU MENINO QUE IDADE É A SUA?

NÃO SEI MEU SENHOR, EU SÓ SEI QUE TENHO FOME.
NÃO SEI QUEM EU SOU, NEM QUAL A MINHA IDADE.
SÓ SEI QUE ME EXPULSARAM LÁ DO BUEIRO.
E AGORA A VONTADE DE COMER ME CONSOME.
OS ADULTOS ME TRATAM COM TANTA MALDADE.
POR FAVOR, MEU SENHOR ME DÁ ALGUM DINHEIRO!

LEVEI-O NA LANCHONETE E ELE COMEU.
VÊ-LO COMER SE ME APERTAVA O CORAÇÃO.
DISSE-LHE: PARA MINHA CASA VOU-TE LEVAR.
ELE ME OLHOU ASSUSTADO E ME RESPONDEU:
MEU SENHOR, VIVER NUMA CASA NÃO QUERO, NÃO.
HÁ MUITO TEMPO QUE A RUA É O MEU LAR.

MAS MENINO, NA MINHA CASA VOCÊ TERÁ TUDO:
ABRIGO, ROUPA, COMIDA, ACESSO À EDUCAÇÃO,
PARA UM DIA ADULTO RESPONSÁVEL SE TORNAR.
ELE RESPONDE: ISSO PARA MIM NÃO É TUDO
QUERO LIBERDADE! UMA CASA É PRISÃO.
PORQUE INSISTIR SENHOR? A RUA É O MEU LAR.

VICTOR ALEXANDRE

9 de out de 2011

Olá,

Diante de ti vejo a esperança. Como se a clareza da sua pele pertencesse a clareza da tua alma. Esse branco me presenteou no espaço que desejo. Como eu amo esse branco, essa liberdade. Te coroaria rainha do meu amor; tão bom te reconhecer ! Talvez você sinta essa poesia; talvez seja a própria e se faça a própria, da qual se deve viver e descrever. Não existe sonho em mim. Não desejo ser mais um abobado, desses que fantasiam o que não se pode ter. Existe o verdadeiro amor que desejo amar. Esse que desejo, mesmo sem saber o tamanho. E amarei assim mesmo. Entre não amar e amar, fico com a segunda opção, com o sim que sempre vem primeiro. Continuarei amando, mesmo ferido, ainda consigo acreditar. Amo pensar que sim: te amo. Seria esse o começo, o recomeço...seria a semente da aurora? Muitos dizem que semear é amar. Então amo e colho para te coroar. Prefiro não ser coroado. Prefiro amar. Observar o sorriso e sacrificar o próprio. Prefiro um coração dentro do meu próprio peito. Ah, se pudesse te tocar, como as cartas te tocam e as palavras entram pela retina nesse momento e o coração escuta. Talvez seja esse um momento, apenas segundos de inspiração para nós dois. de um pouco de inspiração para dizer tudo. Não sobre tudo, mas sobre um começo. Cheiro e gosto de inspiração para apressar a felicidade. Pelo menos um pouco. Onde irei chegar, não sei quando, não sei se chegarei...mas é lá onde prefiro estar. Amor é caminhar, mas que seja desse, um bom começo.

Fernando Coelho

8 de out de 2011

LUAR BRUXINHA

LUAR VIVE NUMA ILHA,
PÉROLA DO ATLÂNTICO
COMO ELA É CHAMADA.
LEMBRA-SE DAQUELA TRILHA
DO PASSEIO ROMÂNTICO
QUANDO FICOU APAIXONADA.

E DEPOIS A VIDA ANDOU,
CASOU-SE E DIVORCIOU,
DOIS FILHOS, CRIOU SÓZINHA.
ESTÁ JÁ NA CINQUENTENA
E NA SUA VIDA AMENA,
TODOS A CHAMAM BRUXINHA!

ELA DESTESTA A MALDADE
NÃO PODE VER INJUSTIÇA
QUE NESTE MAU MUNDO SE FAZ
É SEMPRE PELA VERDADE
E POR VEZES ATÉ BRIGA.
MAS GOSTA DE VIVER EM PAZ.

GOSTA DE COISAS BONITAS
COMO PINTURA E POESIA.
TAMBÉM AMA A NATUREZA.
SUA ILHA TEM COISAS LINDAS
VENDO O MAR SE EXTASIA
COM TODA AQUELA BELEZA.

O QUE ELA ESTÁ ANSIANDO
COM ISSO VIVE SONHANDO,
É A CHEGADA DO AMOR.
ESPERA UM HOMEM SENSÍVEL
QUE EM TUDO SEJA AO SEU NIVEL
EM ESPECIAL NO AMOR.

NA TENTATIVA PRIMEIRA
ELA FOI MUITO INFELIZ
MAS NA ILHA DA MADEIRA
A BRUXINHA SERÁ FELIZ.

Victor Alexandre
A humildade não está na pobreza,
não está na indigência,
na penúria, na necessidade,
na nudez e nem na fome.
A humildade está na pessoa que tendo
o direito de reclamar, julgar, reprovar
e tomar qualquer atitude
compreensível no brio pessoal, apenas abençoa.
Uma ótima semana

Walter Souza