24 de mai de 2012

tonto coração

Aquela canção que eu não terminei era ternura,
criatura era um amor
em flor um mar de fantasia jubileu de alegria,
depois do fim do dia apenas um cálice
na platéia verdades insólitas para solidão agora,
em passos despedaçados
 um quebra-cabeças sem lógica esvanecidas
palavras lançadas no vento em vôo de barata deslambida
na perna torta de um garrincha
na maquiagem de uma marina
um deslembrado canto blues tonto coração,
que não vive sem ilusão

 Beto Matos

Pelas pontas

Deixo me ir, pois vôo seguindo certo as linhas tortas do meu Deus-escritor.
Na ponta do lápis, fazendo as contas, das horas que faltam, pra cair no samba, na ponta do pé.
 De ponta de pé ou de ponta-cabeça, ver o mundo cercado com hipocrisia.
De bicho-de-pé, minha agonia veste fantasia, ultraje mascarada para aparições,
quase verdadeiras. para mudança: rei do faz-de-conta, pelas pontas da próxima delegacia.
Viva a nossa prospera democracia!!!

 Beto Matos

8 de mai de 2012

Sobre o Perdão:

O perdão, Minha Comadre, Confundem com esquecer O fato, a causa, a ofensa, Que o outro veio a fazer. Mas creio profundamente: Pra perdoar totalmente, É só lembrar sem sofrer! É só a mão estender É só apertar outra mão, É só lembrar que o outro É nosso par, nosso irmão. Não somos Deus, pra julgar, E o nosso irmão condenar Nunca foi nossa missão! Se eu estou com a razão, Ela fica do meu lado. No entanto, quando eu erro, O fato está consumado. O melhor é perdoar, Pois o dia há de chegar De eu também ser perdoado!!! Compadre Lemos