30 de out de 2010

O velho safado e hidrófobo que guarda a porta deste boteco virtual, dia e noite, ataca ao menor sinal de perfumaria literária, afetação estilística ou requintes formais dos que nunca perceberam a relação entre a vida e a arte.(ou se recusam a isso, o que é mais perigoso). Enquanto isso, aqui dentro, fluem libações com vinho ordinário e se costura a mortalha do último escritor acadêmico com as tripas do último poeta concretino.

Beto Cadilhe

23 de out de 2010

Honra ao mérito

A poesia invade a vida
E no âmago do ser
Não sou.
Aquele romântico transmissor.
O belo verso
Soa inverso
Agride ao tema,
Ressoa o dilema,
E ecoando no vértice
Do universo
Versejando ao sabor
Do som,
Um dom
Não Juan,
Mais sim, um emérito
Construtor, moldado na releitura.
Ignorada, sendo tudo
Tecnicamente, soa como
Nada.
Poesia retratada, um verso
De quadrante oficio
Ser poeta um vício.
Assumo a peja
Honra ao mérito,
Assim seja.

Moises Abilio