27 de jul de 2015

Quem?

Quem de nós? 
Quem de nós?
Quem falará a verdade?
Os poetas?
Os advogados?
Quem?
Não há verdade!
Não há verdade absoluta!
E isso é absolutamente verdade!

Marcio Vidal

21 de jul de 2015

Atento

Todos os dias,
batalho silenciosamente.

Ao respirar, busco ser o vento.
Ao caminhar, sou o caminho.
Ao sonhar, engendro o sonho do sonho,
delirante e consciente.
Ao pensar, penso o pensamento
e devagar o componho.
Ao realizá-lo, sou a realidade,
simplesmente.

Não há outra verdade
senão a que invento.


Adriano Espínola

Constatações

Sinto-me constantemente irrequieto,
Quisera explicar como tantos fatores convergiram para esse meu existir.
Apesar de tudo, me aceito como um milagre,
Vejo-me normalizado diante do espelho.

Aos trancos, busco aprender ser homem, pai, amigo, companheiro;
Na estrada que percorro, não sucedo ninguém,
E assumo a missão de tornar-me cada dia eu mesmo.
Espero viver o dia em que eu atinja a minha melhor versão.

Por enquanto, prossigo sem saber do que tenho medo, apesar de tê-lo;
Não decifro de onde vem à timidez que deveras tenho,
O que me faz introvertido perante outrem,
E desenvolto junto a multidões?

Penso, amo, peco, sonho, gargalho, choro: existo!
Reconheço que aconteço envolto em precariedades,
Ainda assim luto para não me acovardar,
Recuso conceder-me trégua.

Nessa irredutível arte de viver,
Procuro dar aos meus melhores instantes, status de eternidade,
Sem dispensar, por óbvio, os suprimentos que sempre emanam de Ti.
Anelo que me tenhas reservado um bom fim!


Magno Ribeiro

18 de jul de 2015

Poema fácil

Se talho um poema
E ninguém o lê
O verso é afinal
Exatamente
O que?

Se lanças estrofe
Num mar de píxeis
E ninguém a vê

Lançaste poeta
Exatamente
Porque?


Lavínia Saad

A antesala do silêncio.

A cada dia me faço
mais econômica
e Veloz.

Um dia serei assim:
Atômica
Relâmpaga
Monissilábica
Ó.

Viverei na pausa
das entre-palavras
no relaxar do diafragma
E apenas.

Onde: Lê-se o que bem se entender.
Quase tudo, ou quase nada.
Quase turva, ou quase clara.

O eco tem eco.
Serei então:

a antesala do silêncio.
Lavínia Saad

A MALDIÇÃO DE NARCISO

A maldição de Narciso
Não é ver Calibã
É ver Narciso.

Luiz Alberto Machado

ILIMITROFE

Não sei de bandeiras
Não sei de dividas

Só sei
Da carne
O olho
O gesto
E
O coração

Luiz Alberto Machado

Casamento

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos e esbarram,
ele fala coisas como "este foi difícil"
"prateou no ar dando rabanadas"
e faz o gesto com a mão.
O silêncio d quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

Adélia Prado

ESCRITO EN LOS BORDES

Una desolación y una sed
que crepitan y fulguran
en los ojos
y un momento que tapa
otro momento.

Eduardo Dalter

17 de jul de 2015

Alta Tensão

eu gosto dos venenos mais lentos
dos cafés mais amargos
das bebidas mais fortes
e tenho
apetites vorazes
uns rapazes
que vejo
passar
eu sonho
os delírios mais soltos
e os gestos mais loucos
que há
e sinto
uns desejos vulgares
navegar por uns mares
de lá
você pode me empurrar pro precipício
não me importo com isso
eu adoro voar.

Bruna Lombardi

RECIPROCIDADE

Afinidade é coisa elaborada
Como arranjos de flores.
É um primeiro instante,
Com a estranha sensação
De já ter ocorrido antes.

Afinidade não tem explicação
É uma em um milhão,
Um prêmio, um achado.

A quem se descubra surpreendido
Quando se vê no outro refletido.
Tão parecido que assombra,
Mas aproximado que sombra,
Incrivelmente assemelhado.

Fábio Murilo

Homero

Mi alma se acostumbró a este oscuro paisaje.
Tras mis pasos
vendrán otros a poblar estas sombrías estepas
y como yo
perderán la luz.
Soy el adelantado de una raza de ciegos.

Daniel Chirom

ABRAHAM

Mago de los juegos eternos,
enséñame el camino a casa
pues deseo hacer el amor,
delirar con el vino
y soñar en los atardeceres.
No para mí este mundo inmortal y silencioso,
no para mí las redes que tejen otros.
El fruto pende henchido de la rama,
la primavera borda el cielo
y una semilla me habita.  

Pero cuando venzas y ocupes tu trono
recuerda
que en el poder no reside la belleza.

Daniel Chirom

Irrealidade do real

Na irrealidade do real,
A vida ficou mais cara
O que fazer afinal
Se a inflação já dispara...

Aumento na gasolina
Na conta d´água e de luz
Aumenta a carnificina
- Só o salário reduz.

Estrangulada a economia
Vivemos em sobressaltos
E nesta triste agonia
Sofremos com os assaltos

Do meliante gatuno,
Aos que a lei, nos impõe
Nenhum deles é oportuno
E a nosso querer, se antepõe

Dos obscuros segredos
Às traves que delimitam
O contorno destes medos
Que a saúde debilitam

Angústias inamovíveis
Na existência duvidosa
De convergências possíveis
E ao destino perigosa

Não há razões mais claras
Pra temer a recessão
Deu sinal a *almenara
De estarmos na escuridão

Crescendo o sobressalto
Na real, irrealidade
Que tecem no Planalto
E denotam ambiguidade

Ressuscitada a inflação
É mapa que se apresenta
É grande a desilusão
No quadro da Presidenta

Acentuando a irrealidade
Do nítido, ao mais intenso
No mar da calamidade,
Temor de naufrago é imenso...

Preço da carne, impossível
Ao bolso do trabalhador
Pecaminoso, inadmissível
Num plantel, segundo maior.

A voracidade aos bolsos
Deixando-os logo vazios
E sem que haja reembolsos
Chega a dar-nos calafrios!

Se ouvissem meu conselho
Iríeis buscar o dinheiro
Com as contas no vermelho
Que ele, retorne do estrangeiro

Eu sei que é utopia
Maneira de discorrer
Ponto de analogia,
O destino dele, é morrer !

Nenhum Governo se sustenta
Ao peso das iniquidades
Sempre a melhor ferramenta
É prover necessidades.


Armando A. C. Garcia

Dei asas ao pensamento

Dei asas ao pensamento
Dei-lhe humor, dei-lhe alegria
E pra maior contentamento
Dei-lhe tudo, que podia !

Dei-lhe liberdade e vida
Sem mistério, sem temor
Dei-lhe a mensagem florida
De quem busca grande amor

Dei-lhe um mundo de alegria
Com a luz do sol a brilhar
Dei-lhe tudo que existia
No mundo pra agraciar

Dei-lhe sorrisos, dei-lhe fé
Dei-lhe a verdade e razão
A confiança de quem crê
Tudo que eu tinha à mão !

Dei-lhe razões pra voltar
Sem marcas ou exigências
Dei-lhe o mar pra navegar
Estrelas, como referências

Ele gravou todas imagens
Dos lugares onde passou,
Como excelsas reportagens,
Até o zimbório filmou .


Armando A. C. Garcia

The Meaning of the Shovel

This was the dictator’s land
before the revolution.
Now the dictator is exiled to necropolis,
his army brooding in camps on the border,
and the congregation of the landless
stipples the earth with a thousand shacks,
every weatherbeaten carpenter
planting a fistful of nails.

Here I dig latrines. I dig because last week
I saw a funeral in the streets of Managua,
the coffin swaddled in a red and black flag,
hoisted by a procession so silent
that even their feet seemed
to leave no sound on the gravel.
He was eighteen, with the border patrol,
when a sharpshooter from the dictator’s army
took aim at the back of his head.

Barrio René Cisneros

Regime democrático :

Regime democrático é o regime que o povo vota pelo não
Mas o  governo "opta" pelo sim

João Luis Calliari

AFORISMO XXII

Verso certeiro:

Verso certeiro é aquele
Que a gente finge que não leu


João luis Calliari

Engenho poético

Enquanto o vestido dela dança
Bebo vinho

Como em sonho de criança
Torno-me cúmplice do vento

Ela traz a poesia que se perdeu pelo caminho
Estímulo para o meu alento


João Luis Calliari

16 de jul de 2015

The Peace of Wild Things

When despair for the world grows in me
and I wake in the night at the least sound
in fear of what my life and my children’s lives may be,
I go and lie down where the wood drake
rests in his beauty on the water, and the great heron feeds.
I come into the peace of wild things
who do not tax their lives with forethought
of grief. I come into the presence of still water.
And I feel above me the day-blind stars
waiting with their light. For a time
I rest in the grace of the world, and am free.

-Wendell Berry

Time Passes

Time too is afraid of passing, is riddled with holes
through which time feels itself leaking.
Time sweats in the middle of the night
when all the other dimensions are sleeping.
Time has lost every picture of itself as a child.
Now time is old, leathery and slow.
Can’t sneak up on anyone anymore,
Can’t hide in the grass, can’t run, can’t catch.
Can’t figure out how not to trample
what it means to bless.

Joy Ladin

LLAMAMIENTO

El cazador
que dentro de mí
atisba
y tiende emboscadas,
y excava fosos
atrapando
lo que cae en ellos,
y cuenta sus presas
cuando el viejo sol
termina su paseo,
y se deja husmear
después de la caza
por hienas y chacales,
perros salvajes,
demonios
que piden carroña
e imitan
con aullidos y graznidos
la voz de los muertos,
no es
tan sólo mis impulsos
de destrucción y pánico,
de él
me viene la memoria ancestral
de la desobediencia
al espíritu vivificante,
el gusto desdichado
de la persecución.

Yo no soy
ni bueno ni malo por esencia
sino por participación,
cómo no reconoces, mi huésped,
que no quiero asimilar tus rasgos
más aliá de la vigília.
Yo te guardo;
yo te cuido,
deja en paz mis noches.


 ALBERTO GIRRI

Limites

limites

¿Quién dijo alguna vez: hasta aquí la sed,
hasta aquí el agua?

¿Quién díjo alguna vez: hasta aquí el aire,
hasta aquí el fuego?

¿Quién dijo alguna vez: hasta aquí el amor,
hasta aquí el ódio?

¿Quién dijo alguna vez: hasta aquí el hombze,
hasta aquí no?

Sólo la esperanza tiene las rodillas nítidas.
Sangran.


Juan Gelman

Fresta


Querida fresta que abri entre dois mundos,
de pouca largura,
discreta, modesta,
mas fresta...

Amo olhar através de ti
e vislumbrar outras perspectivas...
E só confio quando vejo em ti
e certifico que ainda estou viva.

Seja lá o que for que ainda tenha
ou que perdi,
ninguém me tira o alcance, o poder
de ver de novo através de ti.

Só mesmo em ti é que a dor se ilumina
e  até me ensina e me esclarece..
Só com tua luz, a cicatriz não entristece,
e é tão divina...

Só mesmo em ti, tudo que sou, tudo o que fiz
revela um porte tão mais digno, grandioso,
e o meu sonho, ainda que gere pouca obra,
para a visão da minha alma, alcança e sobra.

Talvez não seja mais que isso o que fica,
quando chegar o próximo ou distante fim:
A fresta que abri para que a alma veja,
que mostra e areja algo de Deus que vejo em mim.


Lúcia Helena Galvão

Esperança

A esperança despertou a paixão,
Floriu os campos de sonhos,
Banhou os mares de amor.
Esperança que nos toma,
Que nos devora…
A esperança está em ti,
Em teu sorriso,
Na tua presença,
Nos teus braços.

Agamenon Troyan

Silêncio

Há um silêncio
Grávido de palavras
Que anseiam nascer

Há palavras sendo abortadas
Antes mesmo do amanhecer

Há risos presos em nós da garganta
Feitos de lágrimas que insistem em correr.


Marli fiorentin

D'ela

Teu sorriso
Quebra o
Que abandonei
Por medo...

Brinco com
Nosso segredo
De nunca
querer parar..

Um grão de dor
Se dissolve
Átomo em seu
Dilema...

Do todo,
Sinto a Menor
Partícula
Me dizer
Somos indivisíveis...

Não faz sentido
Não te deixar ir,
O que for pra seguir
Não precisa de vento,
Lento alento...(pedaços D'ela)

Por Jardel Alcântara de Negreiros

Alquimia

Frente a um pobre romancista
Quase que equilibrista de emoção e razão
Que ponhe em seu paradigma
O estereótipo de solidão. 
Com única menção, a contratação de um alquimista
Que talvez encontre pista
De um novo coração.
Julgado na inquisição
E forçado a se perder junto a fumaça
Que pensar com sua única desgraça
Oferecer coração e vida
A uma pequena e querida
Que ponhe o fim da vida  
Na fogueira da solidão.


Lino Silva

We say love

We say love
we hope for more
That is worth a fill in our store
And then we starve
We care
we share
But we end up with a tear
After all is clear
Though each moment counts
As all the moments mount
We realise we were mistaken
That we weren't chosen
Upon the cupid's arrow
Ours is just a just a show
On his bow
We are just on an unstable ship we need to row

Kezia Georgina

DESVIRGINAR

Oferece-me, a folha,
sua virgindade
Para assim então ser deflorada
por um poema

Marcelo Roque

Mágica

Poderia o temp
ter nos separado por décadas,
séculos,
ou ainda milênios
Ou na geografia dos acasos,
termos cidades, estados,
países,
ou mesmo um oceano entre nós
Mas, pelo capricho do destino,
ou das coisas inexplicáveis,
deu-se a mágica do encontro

Marcelo Roque

HONRA AO MERITO

A poesia invade a vida
E no âmago do ser
Não sou.
Aquele romântico transmissor.
O belo verso
Soa inverso
Agride o tema,
Reacendendo o dilema,
E  ecoando no vértice
Do universo
Versejando ao sabor da leitura,
A arte dura.
E se extrai
Do som,
Um dom
Não Juan,
Mais  sim, um emérito
Construtor, moldado na leitura
Ignorada,  sendo tudo
Tecnicamente, soa como
Nada.
Poesia retratada, um verso
De quadrante oficio
Ser poeta um  vício.
Assumo a peja.
Honra ao mérito
Assim seja.

Moisés Abilio

POLITICA

Sou, por quê?
Político, simples não é?
Na sua simplicidade
Sou o numero
Estatísticas não me definem
Por que sou
O que verdadeiramente
Não sou.
Sem definição
Antes
Ator
Entre dois palcos perdura a ilusão
Antes depois
Da na ção
Dar na nação
Pau na mão
Exemplo vivido
Danação.
Político, politiqueiro
Político de chiqueiro
(Nada contra os porcos).

Moisés Abilio

Canta América

Não o canto de mentira e falsidade
que a ilusão ariana
cantou para o mundo
na conquista do ouro
nem o canto da supremacia dos derramadores de sangue
das utópicas novas ordens
de napoleônicas conquistas
mas o canto da liberdade dos povos
e do direito do trabalhador...

Solano Trindade

Tem gente com fome


Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
pra dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Piiiii

estação de Caxias
de novo a dizer
de novo a correr
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome
Vigário Geral
Lucas
Cordovil
Brás de Pina
Penha Circular
Estação da Penha
Olaria
Ramos
Bom Sucesso
Carlos Chagas
Triagem, Mauá
trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome
Tantas caras tristes
querendo chegar
em algum destino
em algum lugar

Trem sujo da Leopoldina
correndo correndo
parece dizer
tem gente com fome
tem gente com fome
tem gente com fome

Só nas estações
quando vai parando
lentamente começa a dizer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer
se tem gente com fome
dá de comer
Mas o freio do ar
todo autoritário
manda o trem calar
Psiuuuuuuuuuu

Solano Trindade

15 de jul de 2015

Pátria Enganadora

Crise Forjada.
Mídia Golpista.
Teólogo Doidão.
Governo Picareta.
Pátria Enganadora.

Jacques Assis

REVERSO

Cidade natal
Etc & town
São Paulo é pau
de sebo
Cair é começar a subir...

Claudio Laureatti

14 de jul de 2015

ALTAR

Esqueço
ao subir ao palco
de tudo que sou,
recebo
ou causo.
me aqueço de sonho
e salto.

Só acordo na hora do aplauso.

Vento

capacete
do poeta

Ni Brisant

SOLRISO

Sorria,
Ou ao menos tente sorrir.
E se não puder sorrir, busque outros sorrisos e inspire.
Sorrisos infantis, sorrisos que estão por aí.
Seu Sorriso é lindo e nele eu quero colorir.
Vento
Sol
Praia
Orvalho
Relva
Beijo
Carinho
Seu Sorriso é lindo e está a me colorir
Vivo
Me faz sentir
Sorriso
Solriso.
Marcelo de Jesus Arouca 

Abraço sem fim

Não quero estar lá
nem aqui
nem em mim.

Hoje só quero
viver
num abraço
sem fim.

Ni Brisant

Movimento

Há esquerda
Da ponta preta
Movimento
Miro vermelho
No coração.
Maycon Solda

13 de jul de 2015

isso é um poema

sim
tbm
mas
a vida passa
as coisas mudam
eu mudei
vc mudou
so nao mudou o meu amor
que ja nao era seu 


Leandro Acácio



11 de jul de 2015

reclusão semiaberta

a pessoa em sua toca
criatura quase sempre maníaca
espalha seu surto
regulado pelo mormaço virtual
e
num limitado número de funções
integra um subsistema
de variações
do mesmo tema

Marcos Lobo

Voz

Voz
para o
Povo
Brasileiro!

Pedro Campos

Arquivo do blog