30 de out de 2011

Segui, pelas ruas de minhas angustias.
Cheguei a pensar que não valeria à pena....
Quantas vezes, tombei? Não sei!

Me perdi. Fiquei zonza; acuada num canto escuro;
de solidão, ardendo..

Mas existe àquela força, sobrê humana,
Que age secreta e envolvente,
Forte como o fogo;
Brabas ondas de maré, à ressucitar terras novas;
enxurradas de sentimentalidades amadurecidas.

Os poemas são minha cura.
Onde em silêncio, incorporo infinitos.
Que invadem meus segredos à descreverem -
litoranêos de Deus!

Emergir o corpo expelindo faíscas de vida - levantado pela alma;
Corpo ancorado notra vida - dentro desta.
Alma em marfim. Alma que transporta!

veralynpoeta

2 comentários:

Vera Lyn Poeta disse...

Feliz, de encontrar meu poema aqui!

Vera Lyn Poeta disse...

Parabéns, Vozes Digitais!
Obrigada.